Manifesto Internacional para a Promoção da Atividade Física no Pós-COVID-19

A atividade física é parte da natureza humana, fundamental para uma vida mais saudável, produtiva e plena. Ações de promoção da atividade física e redução do comportamento sedentário devem conscientizar as pessoas e ampliar as oportunidades para escolhas, explorando suas amplas possibilidades para um mundo melhor e mais solidário.

O objetivo deste manifesto é sensibilizar e mobilizar pessoas, grupos sociais e governos para a promoção de uma vida mais ativa, considerando seus benefícios sociais e para a saúde em geral. Este documento, baseado em evidências científicas, destaca a educação, valoriza a cultura local/regional e propõe a redução de desigualdades de acesso aos bens públicos, como um caminho para uma vida mais ativa e saudável em comunidades mais solidárias, destacando-se a importância da atividade física em relação à COVID-19.

A alta prevalência de inatividade física (considerada também uma pandemia) traz consequências para a saúde individual e coletiva, com significativo impacto econômico e social. Para que todo o potencial da prática de atividade física seja alcançado, sua promoção, aliada à redução do comportamento sedentário, deve ser encarada como um desafio de todos, principalmente em tempos de redução das oportunidades de prática, como na pandemia da COVID-19: como estimular as pessoas a caminhar mais e sentar menos no contexto atual?

Nunca os determinantes sociais da saúde precisaram ser enfrentados de maneira tão ampla e urgente, com especial destaque a outro fator fundamental: a solidariedade entre as pessoas, comunidades, cidades e nações. Lamentavelmente, a promoção da atividade física ainda é uma estratégia subvalorizada em nosso meio. Não queremos mais manter a atividade física como um “remédio secreto” para alguns, diante de tantas e qualificadas evidências recomendando a sua promoção para todos.

Evidências Científicas: benefícios da Atividade Física (AF) no controle da pandemia:

1) AF moderada reduz o processo inflamatório e melhora a imunologia.

2) AF vigorosa prolongada se associa à depressão imunológica transitória.

3) Andar é a atividade mais acessível e ideal.

4) AF moderada melhora as enfermidades crônicas; a maioria das mortes por COVID-19 ocorre em portadores de diabetes, obesidade e hipertensão arterial.

5) AF melhora o estresse, a ansiedade e a depressão.

6) AF moderada contribui com o equilíbrio do cortisol (hormônio do estresse)

7) AF moderada produz antioxidantes que reduzem a gravidade de síndrome de estresse respiratório, séria complicação da COVID-19.

8) AF moderada melhora a resposta imunológica às vacinas

9) AF leve também pode trazer benefícios metabólicos e cardiorrespiratórios.

Urgência de uma Chamada para a Ação

O cenário de pandemia nos convoca a uma vida mais ativa e saudável, respeitando-se as orientações sanitárias para o controle da COVID-19, para estarmos melhor preparados para a atual e futuras pandemias.

Este Manifesto recomenda fortemente:

1. Incentivar uma vida mais ativa e saudável, partindo da responsabilidade individual e social, mesmo após o surgimento de vacinas.

2. Promover esse estilo de vida saudável amparado por políticas públicas e de organizações não governamentais, em consonância com as demandas de desigualdades econômica e social.

3. Priorizar a mobilidade ativa, com efeito multiplicador sobre os benefícios de um estilo de vida ativo e sustentável, alicerçado na democratização de acesso aos serviços de saúde, saneamento básico e educação de qualidade.

4. Fazer uso de estratégias inovadoras locais, em consonância com as diretrizes do Plano de Ação Global em Atividade Física 2018-2030 da OMS.

5. Aumentar estímulos e oportunidades para uma vida mais ativa na escola, na retomada das atividades presenciais, transformar a escola em um polo promotor da atividade física e da redução do comportamento sedentário.

6. Buscar estratégias inovadoras para prática de atividades físicas em casa e nos ambientes abertos, respeitando-se as recomendações sanitárias, especialmente quando em locais fechados.

7. Incentivar o uso dos meios digitais para disseminar estratégias, recursos e exemplos na promoção da atividade física e na redução de comportamento sedentário.

8. Destacar os benefícios da atividade física moderada para o sistema imunológico, evitando-se as atividades físicas vigorosas em situações de maior exposição à COVID-19 ou outras pandemias similares.

9. Apoiar grupos sociais nas manifestações da atividade física, com foco em estudantes, trabalhadores, idosos, mulheres, pessoas com deficiências e outros grupos vulneráveis.

10. Organizar as diferentes abordagens para a promoção e intervenção com foco nas atividades físicas segundo modelos do desenvolvimento sustentável e de gestão cooperativa por grupos de pessoas.

11. Investir em políticas e ações que promovam a caminhada, o uso da bicicleta, e a recreação ativa nos espaços públicos.

12. Mover-se mais e sentar-se menos. Aumentar seus passos diários. Preferencialmente, acumular 150 minutos ou mais por semana de atividade física moderada. Substituir o tempo sentado por atividades físicas leves. Na promoção da saúde, todo movimento conta.

Esta chamada para ação exige que pensemos na governança cooperativa, na segurança individual e social, na adoção de um estilo de vida mais ativo e na redução do comportamento sedentário, em um modelo ecológico para o enfrentamento da pandemia da COVID-19 e futuras pandemias na busca por um mundo melhor, mais justo, solidário e saudável.

*O presente documento é apresentado aqui em sua versão resumida. A versão original como as referências bibliográficas pode ser encontrada no site www.celafiscs.org.br ou diretamente pelo link: https://celafiscs.org.br/manifesto-da-atividade-fisica/

Autor: Comunicação – CONFEF

Deixe um comentário